“Tinha pego” ou “tinha pegado”. Você sabe qual é o certo?

“Tinha pego” ou “tinha pegado”. Você sabe qual é o certo?


Você já ouvir falar sobre verbos abundantes? São aqueles que apresentam duas ou três formas: havemos e hemos; constrói e construi; pagado e pago; secado e seco.

Normalmente, tal abundância ocorre no particípio e o uso correto depende do verbo auxiliar.

A forma regular do particípio (com final em –ado ou –ido) deve ser combinada com os auxiliares “ter” ou “haver”, como ilustra este exemplo:

“O presidente havia aceitado as manifestações.”

Já a forma irregular do particípio – que se flexiona em gênero e número – deve ser combinada com os auxiliares “ser” ou “estar”:

“As reclamações foram aceitas pelo presidente.”

Vale anotar que os verbos “chegar”, “comprar” e “trazer” não são abundantes. Ratifico: inexistem as formas, no particípio, “foi compro”, “foi trago”, “tem chego”.

Por outro lado, devido ao uso, o verbo “pegar” acabou se tornando, no Brasil, abundante. Usando corretamente o verbo auxiliar, vale sim registrar:

“A Polícia tinha pegado prova contra o traficante.”

ou

“Prova contra o traficante foi pega (é ou ê) pela Polícia.”
É verdade que apenas por uso linguístico brasileiro surgiu o famoso “pego”? Sim! Etimologicamente, o particípio irregular “pego” não possui lógica.

As formas verbais “secado” e “seco”, por exemplo, advêm do Latim “siccare” e “sicus” respectivamente. Para o verbo “pegar”, o Latim registra apenas “picare – pegado”, e nunca “picus – pego”.

(Fonte: Exame) 

Lista de notícias

Contato