A Empresa

A missão da ADCom Comunicação Empresarial é criar, consolidar, fortalecer e valorizar a imagem e reputação de empresas, instituições e profissionais junto a seu público alvo e à sociedade, por meio de comunicação integrada. Nosso trabalho tem como meta aumentar o encantamento pela marca, tornando o consumidor fã dela e, também, um disseminador de seu nome. Esta paixão possibilita à empresa praticar valores mais justos e lucrativos. Integramos distintas formas de comunicação para geramos maior visibilidade e transformarmos, de forma moderna e antenada, o assessorado em referência no seu segmento para que seu público fique cada vez mais encantado. 

Serviços

  • Relacionamento com a Imprensa

    O Relacionamento com a Imprensa, conhecido como Assessoria de Imprensa, visa dar ênfase ao envio de informações sobre o cliente à mídia impressa, eletrônica e on line para que ele se transforme em fonte em matérias jornalísticas. Esta ação agrega valor, aumenta a reputação e lembrança do nome de forma direta e indireta, atingindo diferentes públicos de interesse, de forma maciça e mais abrangente.
  • Publicações

    Desenvolvimento de publicações digitais ou impressas (jornais, revistas, newsletters, material publicitário, entre outros) com o objetivo de valorizar, institucionalmente, o cliente, atingindo e se relacionando com o público alvo, abrindo o diálogo e levando a ele informações de valor e interesse. 
  • Geração de Conteúdos

    Desenvolvemos todos os tipos de conteúdos para os mais diferentes fins. São eles: matéria jornalística, livro, blog, rede social, redação publicitária, release, newsletter, revista, jornal, sites, portais, entre outros. São textos, fotos, vídeos, podcasts (áudios), com o conteúdo pertinente àquele meio e ao público ao qual se destina. Fazemos geralmente um "cross media", onde um meio complementa o outro de forma atraente e envolvente. Estamos sempre antenados com as novas tendências e como potencializar seu uso com uma comunicação inteligente, criativa e de resultados.
  • Sites e Portais

    O site do cliente deve ter uma apresentação moderna, dinâmica e ser atualizado constantemente para geração de interesse.

    A ideia é abastecermos continuamente com notícias sobre a empresa e meio de atuação, com artigos assinados pelos diretores, com imagens, gráficos, vídeos, entre outros materiais que gerem interesse e levem informação de qualidade para o internauta.

    Atualizamos também conteúdos estáticos existentes e gerenciamos a contratação de profissionais, por exemplo, entre outras ações de relevância para este item da mais alta relevância para qualquer empresa, seja de que porte for.
  • Redes Sociais

    As redes sociais ganham importância crescente com o acesso cada vez maior de pessoas a elas pelas mais distintas formas, sendo as principais celulares e tablets.

    Por isso, devem ser tratadas com a relevância devida, aumentando o engajamento, informando e formando opinião para consolidação da reputação, bem como valorização da imagem.

    Nossa equipe elabora conteúdo (textos, fotos, vídeos, podcasts), seleciona públicos de interesse, impulsiona publicações com o foco tanto na valorização de imagem e reputação como na reversão de leads para o cliente.

    É importante sempre ser elaborado conteúdo condizente com cada rede pois cada uma delas tem a sua peculiaridade.
  • Prevenção e Gerenciamento de Crise de Imagem

    Quanto custa e quanto tempo leva para se construir um nome no mercado?

    O deslize de um funcionário, o descontentamento de cliente, a má explicação de um fato, a deturpação da informação ou até mesmo alguma fatalidade são fatores que podem arruinar a imagem e a reputação de empresas, profissionais, produtos e instituições.

    A ADCom Comunicação Empresarial, por meio de trabalho contínuo junto ao cliente, pode avaliar, prevenir, antecipar soluções e criar ferramentas específicas para situações potenciais de crise.

    E, se ela estiver instalada, resolvê-la da forma mais adequada.

    Uma crise sempre deixa sequelas graves que, se não forem corretamente trabalhadas, podem ser difíceis de reverter.
    Esta situação é, por si só, muito difícil. Porém, é importante que também se atue forte depois da ocorrência para amenizá-la de maneira substancial.
    O ideal é, desde o início desta queda, manter-se aberto ao diálogo e se mostrar acessível aos questionamentos dos públicos interno e externo, com um discurso ético, honesto e com comunicação acessível a todos.
  • Eventos

    Realizamos a cobertura in loco de eventos tanto próprios como que contem com a participação do cliente.

    É promovida divulgação jornalística pré e pós-evento para mailing de interesse e imprensa, bem como em tempo real, ao vivo, no momento que ocorre, para abastecimento das redes sociais.

    Também preparamos o presskit para a sala de imprensa e, além do apoio jornalístico, disponibilizamo-nos a sugerir ideias para maior valorização destas ações.

    Por isto, é importante que nossa equipe participe desde o momento da concepção para que se possa ter mais atrativos tanto para a imprensa como para o público de interesse. 
  • Treinamentos e Palestras

    A ADCom Comunicação Empresarial ministra palestras e treinamentos sobre o funcionamento da mídia brasileira, como lidar com a imprensa, como se portar em uma entrevista e como se comunicar com os variados públicos de interesse por meio de distintas ferramentas.

Notícias

Como o marketing holístico pode revolucionar seu negócio

Como o marketing holístico pode revolucionar seu negócio

Esse novo jeito de atrair clientes tem como principal característica a visão do mercado como um todo. Do marketing holístico vem a solução para o desafio da concorrência e o surgimento de milhares de resultados de sucesso.Dias atrás, consultando o dicionário, resolvi procurar o significado de algumas palavras. Passei pelo A e vi a definição de “análise”. Passei pelo C e observei com atenção a definição de “cliente”. Ao chegar na letra M, me deparei, é claro, com uma das palavras mais importantes do ambiente corporativo (senão a mais): “marketing”.A definição era a seguinte: “Conjunto de recursos estratégicos e conhecimento especializado que contribuem para o planejamento, lançamento e aspectos essenciais para a sustentação de um produto no mercado.” Sucinta, não é? Isso porque o marketing, hoje, está muito além do seu conceito.Em palavras simples, “marketing” é o meio certo para alcançar as pessoas corretas no melhor momento. Trata-se de chamar o cliente para o negócio e fazê-lo se sentir confortável a ponto de construir uma relação de fidelidade com a marca. No entanto, para isso, é preciso apostar em algumas táticas:Ter afinidade com aqueles preceitos estipulados e comprovados ao longo do tempo, conhecidos como os quatro P’s (Preço, Praça, Produto e Promoção), estratégia utilizada no boom de grandes marcas como Havaianas e Coca-Cola.Compreender que o enorme volume de dados (Big Data) existente no mundo é fundamental para as boas tomadas de decisão no marketing.E, por fim, saber que essa é uma área muito promissora, mas repleta de desafios, que podem ser minimizados quando se olha para o marketing de forma holística, ou seja, quando olhamos para o todo. Os desafios do marketingMas, afinal, quais são os desafios do marketing atualmente? O principal deles é que, em um cenário de muitas ofertas, ter um diferencial que consiga se destacar está ficando cada vez mais difícil. Isso porque o número de concorrentes só aumenta e, nesse contexto de disputa, fica difícil prender a atenção de um cliente que tem infinitas opções à sua disposição.Afinal, as soluções tecnológicas transformaram o jeito de vermos o mundo: uma pesquisa da SiriusDecisions, empresa norte-americana de consultoria de vendas e marketing, apontou que 67% da jornada do consumidor até a compra é feita online. E o marketing vem sendo fortemente influenciado pela invenção da internet, do uso de dados e das tecnologias de análise. O ambiente digital trouxe novas maneiras de lidar com anúncios, estatísticas e preferências. Daí, entra em cena o já citado Big Data, revolucionando o modo como o mundo publicitário e marketeiro funciona.Com ele, é possível, por exemplo, analisar o seu público-alvo, que pode apresentar mudanças muito velozes de comportamento devido à sua capacidade de se adaptar às novidades que o mercado oferece. Com isso, picos, quedas e curvas de crescimento são cada vez mais comuns nos gráficos de vendas das empresas. Lembre-se: o consumidor muda, novas ofertas aparecem, e é preciso se readequar.Mas com o uso do Big Data, é possível, principalmente, coletar informações de concorrentes e clientes de toda parte, formando um banco de dados imenso sobre os rastros das pessoas ou das empresas desejadas. Com isso, o Web Analytics tornou-se uma das ferramentas mais utilizadas para formar a base de uma campanha em qualquer canal. É ele que, a partir do dados, faz a medição dos caminhos percorridos pela concorrência e também pelos usuários.Por exemplo, calcular o Retorno sobre investimento (ROI) de uma campanha se transformou em uma tarefa mais simples de ser executada. E, a partir disso, os objetivos do plano de negócio ficam mais claros, tornando-se possível traçar estratégias certeiras para bater as metas estipuladas.Porém, nesse contexto, as empresas e os profissionais de marketing acabam com dois caminhos a serem escolhidos: atualizar-se e adaptar-se ao novo ritmo do mercado ou tornar-se obsoleto. E, para não cair no erro de ter medo da falha e desistir, mais do que nunca é possível explorar um universo pouco conhecido: o marketing visto como um verdadeiro agente de mudança na empresa. Estou falando do marketing holístico.O poder transformador do marketing holísticoDo marketing holístico vem a solução para o desafio da concorrência, citado acima, e, consequentemente, o surgimento de milhares de resultados de sucesso.No ecossistema super concorrido e muito veloz em que as empresas se encontram, não basta acreditar no próprio produto ou olhar somente para as ações que a sua marca deve promover. É primordial ter conhecimento amplo das estratégias utilizadas por outras empresas, avaliando o seu potencial e acompanhando a movimentação dos concorrentes para, assim, ter uma visão de 360º do mercado, especialmente dentro do seu segmento de negócio.Ou seja, não basta apenas olhar só para o próprio negócio nem só para o engajamento nas mídias sociais. É importante acompanhar uma série de fatores ligados ao seu ramo de atuação, o seu desempenho no ambiente online e offline,  para compreender o motivo das métricas estarem deste ou de outro jeito, procurando o caminho que o público percorre até o objetivo para determinar o padrão de comportamento a ser adotado pela empresa.Mas, não adianta apenas levar em conta o uso de dados. É preciso transformá-los em informação, formulando uma conclusão a partir da análise do material coletado. E, nesta história, o marketing holístico é aquele que não somente une diferentes processos, atividades e demandas do marketing, mas que preza pela avaliação precisa do mercado como um todo.Ele está ligado ao monitoramento do que acontece dentro dos muros da empresa, mas também no seu entorno, com os próprios concorrentes – diretos e indiretos – e também com os consumidores. Ele é, portanto, uma revolução no mundo do marketing e também no mundo dos negócios. Permite identificar rumos e tendências e promove ofertas reais de valor ao cliente. Tudo isso por meio de análises precisas e muito complexas dos mais diversos cenários de mercado.Se até pouco tempo, era difícil saber como uma estratégia poderia influenciar no crescimento da sua base de leads e aumentar o número de clientes e vendas, hoje, é possível reconhecer rapidamente os caminhos certos para isso. O conhecimento profundo das ações realizadas por marcas muito parecidas com a sua, assim como a análise dos seus desempenhos (número de curtidas, interações e reações, por exemplo), elevam o diferencial competitivo. E isso serve para empresas de qualquer segmento, desde o de telefonia até o bancário.(Fonte: Proxxima)  Saiba Mais

Como tirar o máximo proveito do mentoring

Como tirar o máximo proveito do mentoring

Preparar os profissionais do futuro tem sido o lema de diversas companhias. Elas estão preocupadas em manter em seus quadros funcionários que possuam as competências necessárias para assumir posições de liderança. Por este motivo os programas de mentoring são focados nos jovens que demonstram grande potencial de desenvolvimento.As sessões de aconselhamento podem reunir desde um indivíduo a um grupo de pessoas, liderados por um mentor cuja missão é ajudar esses talentos a desenvolver habilidades que serão decisivas na vida profissional; a entender os valores da empresa; e até a aprimorar seus relacionamentos com as pessoas chave da cúpula da organização.É também formar a cultura e as nuances de aprendizado de uma profissão, habilidades de comunicação, habilidades de liderança e crescimento como profissional e como pessoa. E construir uma conexão mais profunda com alguém que "esteve lá, fez aquilo" e viveu para contar a história. As relações de orientação mais bem-sucedidas promovem o respeito mútuo, a confiança, a comunicação e o crescimento na carreira.O mentor, orienta, acompanha, ensina desde competências e habilidades para as funções, melhores práticas e outros detalhes da função, das atividades e da organização, até a situações sobre sua carreira, posicionamento, formação. Muitas vezes, apoia em momentos difíceis e serve como exemplo e inspiração.Um relatório do APQC de 2014 constatou que 89% das organizações usam mentoria para alavancar ou desenvolver especialistas, e 59% disseram que esses métodos eram eficazes ou muito eficazes. Claramente, há espaço para melhorias.De fato, formalizar o mentoring em um programa padronizado de toda a organização é difícil e pode sair pela culatra se os mentores e mentorandos em potencial sentirem que estão sendo forçados a um relacionamento.“A logística da mentoria não é tão difícil, mas não pode ser algo exigido pelo RH - os mentores e mentorandos têm que sentir que querem participar”, diz Bask Iyer, CIO and GM da Edge Computing/IOT da Dell e VMware. “A última coisa que você quer é um mentor pensando: 'Oh, Senhor, eu tenho oitenta outras coisas para fazer e agora tenho essa reunião de mentores'. Tem que ser uma parte sólida e arraigada de sua cultura, que tem que se desenvolver organicamente”, diz ele.O novo rosto da mentoriaOs programas de mentoring podem parecer muito diferentes de organização para organização. A fórmula tradicional de um trabalhador mais velho e mais experiente, combinado com um novato jovem e verde, não é necessariamente o melhor ajuste. A chave é tornar o processo mais autodirigido, diz Klara Jelinkova, CIO da Rice University."Em vez de criar uma situação cara-a-cara que talvez não se encaixe, criamos uma situação mais voltada para a comunidade, para que esses relacionamentos possam evoluir com mais naturalidade", diz Jelinkova. É possível que os mentorandos apresentem propostas com até um ano de antecedência para um projeto no qual eles gastarão até 10% de seu tempo de trabalho e isso se torna um caminho de desenvolvimento de carreira”.Na Rice, os mentorandos trabalham em equipe para desenvolver e atingir metas, e os membros mais antigos e mais experientes devem deliberadamente decidir como delegar mais independência sem comprometer as atividades da organização, diz Jelinkova.Tenha uma missão em menteIyer enfatiza que o mentoring é tanto sobre propósito, missão e valores quanto sobre hard skills, especialmente para Millennials e Generation Z. Mentores também devem ser evangelistas para suas organizações e suas culturas e devem estar comprometidos passar valores para seus pupilos, ele diz.“Na VMware, nosso mantra é 'Inovação para o bem'. E os mentores também ensinam o significado disso: 'O que é a VMware? Como é o apoio à inovação nesse contexto? O que é diversidade e inclusão para nós? ”, Diz Iyer.Na Rice University, esse foco na cultura, além das habilidades duras, é crítico por causa de como as gerações mais jovens são orientadas por missões, diz Jelinkova.“Nós também trabalhamos para consolidar a cultura e sobre como trabalhamos juntos, em equipes, e temos uma narrativa realmente forte nesse sentido", diz Jelinkova. “Para esses trabalhadores mais jovens, é muito importante entender como eles são orientados por missões, e serem capaz de propor uma ideia e se conectarem em torno dela e refiná-la em algo de que nossa organização precisa para atingir metas de negócio. Se você não aproveitar esse ativismo natural, eles ficam muito desprendidos muito rapidamente ”, diz ela.Construindo funcionários melhoresO mentoring também deve se estender além de habilidades e cultura organizacional para incluir noções básicas do local de trabalho e ajudar os trabalhadores mais jovens a desenvolver sua inteligência emocional e etiqueta, diz Jelinkova. “Queremos que os mentorandos vejam como é estar em um local de trabalho. Queremos que eles apresentem ideias para que possam ver como interagir em um ambiente de trabalho e dominar habilidades como sentar e almoçar com colegas de trabalho, como se relacionar com diferentes gerações, conhecer a etiqueta, esse tipo de coisa. É uma maneira de introduzi-los para entender os outros no local de trabalho e aperfeiçoar seu QE [quociente emocional] ”, diz ela.Na VMware, observa Iyer, os mentores também enfatizam a etiqueta geral e as habilidades interpessoais para garantir que os mentorandos sejam respeitosos, pontuais e capazes de dar e receber feedback, tanto positivos quanto negativos.O mentoring também não deve se concentrar apenas em sua própria organização, mas deve levar em conta a melhoria do setor como um todo. “Quando eu estava começando, estava convencido de que não estava dedicando muito tempo para melhorar a comunidade ao meu redor - obviamente, isso vem com experiência, tempo e tempero -, mas é importante reconhecer”, diz Iyer.(Fonte: CIO) Saiba Mais

A comunicação no ambiente corporativo

A comunicação no ambiente corporativo

Em uma empresa, a comunicação é um dos ativos intangíveis mais importantes. Se ela for eficiente, pode contribuir para o crescimento e perpetuidade dos negócios. Mas se for falha, pode até prejudicar as atividades e os resultados da companhia.Saber se comunicar é uma qualidade que conta pontos para qualquer profissional e é importante em diversas situações no dia a dia, desde a elaboração de um e-mail até em uma reunião com clientes e investidores. Uma pesquisa realizada pela Universidade de Harvard mostra que 60% das demissões estão relacionadas a problemas interpessoais, causados, mais precisamente, por dificuldades de comunicação.Por exemplo, um funcionário pode ter um profundo conhecimento teórico e prático, mas ter dificuldades em expor e transmitir aos outros as informações. Isso pode prejudicar não somente seus resultados e os da empresa como um todo, mas também de sua equipe, caso tenha subordinados.Muitas vezes imagina-se que somente gestores devem saber se comunicar e se entrosar, mas essa competência deve ser treinada em todos os níveis e seu desenvolvimento e aplicação devem ser cobrados não só pelos líderes, como pelo departamento de recursos humanos, que deve ser responsável por fortalecer essa competência por meio de cursos e palestras.Muitas empresas têm investido em coaching para seus colaboradores, oferecendo métodos e técnicas que ajudam a desenvolver habilidades como saber ouvir, responder o que foi perguntado, comunicação concisa, controle da linguagem e poder de convencimento.A comunicação, seja oral ou escrita, precisa ser clara e objetiva, de fácil leitura e entendimento. Quanto menos rebuscada for a linguagem, mais fácil será a compreensão de seu conteúdo. Isso não quer dizer, entretanto, que o texto ou a fala devem ter vocabulário pouco refinado e com pobreza de detalhes. Quanto mais informações de qualidade são passadas em um diálogo, melhor tende a ser o resultado final.Também é importante que o profissional tenha versatilidade para adaptar seu discurso de acordo com seu interlocutor. Por exemplo, falar com um estagiário é diferente de falar com um presidente. Para cargos executivos, de diretoria e presidência, cujo tempo disponível para cada subordinado é menor e escasso, as conversas devem ser rápidas e objetivas, atendendo sempre ao que foi perguntado. Mas para quem ainda está no nível operacional, todos os detalhes contam e quanto mais esmiuçado for o conteúdo passado a ele, melhor serão o aprendizado e os resultados na prática. Perceber se o discurso está adequado e está sendo bem compreendido pela outra ponta é fundamental para uma comunicação de sucesso. Por isso, pedir e dar feedbacks é um bom termômetro. Saber falar e se fazer entender é essencial para os bons resultados de um negócio. Se não houver entendimento, é hora de readaptar o discurso e usar outras formas para transmitir o que se deseja.(Fonte: DeBernt)  Saiba Mais

Clientes

Contato